26 de dezembro de 2010

ALGUNS POEMAS DE NATAL

presépio em azulejos portugueses da Basílica do Senhor do Bonfim
PRELÚDIO DE NATAL
Tudo principiava
pela cúmplice neblina
que vinha perfumada
de lenha e tangerinas

Só depois se rasgava
a primeira cortina
E dispersa e dourada
no palco das vitrinas

a festa começava
entre odor a resina
e gosto a noz-moscada
e vozes femininas

A cidade ficava
sob a luz vespertina
pelas montras cercada
de paisagens alpinas

David Mourão-Ferreira
História Antiga

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da nação.

Mas, por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.

(Miguel Torga)

Dia de Natal
Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.

É dia de pensar nos outros— coitadinhos— nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
Entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.

De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)

Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.

Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.

Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.

A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra— louvado seja o Senhor!— o que nunca tinha pensado comprado.

Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.

Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.

Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.

Jesus
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.

Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.

Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.

Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas

 António Gedeão

19 de dezembro de 2010

MUDOU O NATAL OU MUDÁMOS NÓS?


Quando eu era miúdo a vida e os tempos eram difíceis. Tenho ideia de que no Natal dava-se mais evidência ao aspeto religioso e às visitas ao “mijo” do menino. As prendas ou ofertas, como lhe queiram chamar, eram quase exclusivamente pelo “Pão por Deus”, aí tínhamos de certeza ofertas dos pais, dos avós, dos tios e dos padrinhos e alguns vizinhos.
A pouco e pouco, aos presépios foi-se adicionando a árvore de natal e a falar-se muito mais no pai natal. Muitos dos presépios desapareceram das casas, ficando a árvore de natal, que com a vinda da eletricidade era e é muito mais decorativa, sim porque é de decoração que se trata infelizmente, foi-se instituindo as ofertas pelo Natal, ato este que levou ao quase total desaparecimento das ofertas pelo “Pão por Deus”.
Depois de feitas estas transferências, nas calmas, foi só subir a parada e pressionar-nos com todos os meios disponíveis na economia de mercado. E, eis-nos neste infernal burburinho em que tudo se impinge, tudo se vende e tudo se quer comprar, no meio duma correria louca para não deixamos nada ao acaso, onde até as empresas que negoceiam com dinheiro nos vem seduzir, o pior é o depois.
Julgo que o que se passou com a economia mundial, (ocidental?) foi exatamente o que se passou com o natal (comercial), salvo as devidas distâncias e ampliada milhões de vezes.
Depois veem dizer-nos que se não compramos o comércio cai, a seguir podem cair as fábricas e vamos todos para o desemprego e lá temos o grande problema da economia.
Já reparam com certeza que os produtos (roupa e outros) que nos impingem pelo Natal, a 2 de janeiro do novo ano, estão com descontos de 30, 40, 50%. Por isso fica-nos a ideia de que pelo Natal, tempo da paz e do amor, andámos a ser explorados, de novo as leis do mercado a funcionar e a lixar-nos, e quando esses tais leis que gerem a economia  falham, apesar de muitas vezes com os seus negócios nos terem lixado em nome do progresso, ainda somos nós que  temos de apertar o cinto.
Urge mudar muita coisa, quer neste arraial de compras em nome do Natal, que nessa tal economia global em que muita gente se encheu e agora pagamos todos. Isto não se resolve acudindo aos famintos um mês por ano. A fome atua 365 dias por ano e 24 horas por dia. É por isso que tem de haver NATAL todo o ano e também na economia. Eu não sei como isso se reformula, e pelos vistos os entendidos também não, Deus tenha compaixão de nós.
Um Bom Natal para todos!
MM

1 de novembro de 2010

OS CHAMADOS PRETOS DO MONTE BRASIL

Os retratos de Gungunhana feitos durante o período do exílio em Angra do Heroísmo são os de um homem só, amargurado com a derrota, remoendo em silêncio as memórias das suas muitas rainhas e do enorme tesouro que acumulou à custa de dádivas, impostos e saques. «Aos poucos, a vida vai nele arrefecendo, cansada de humidade, frio e céu cinzento», relata Maria da Conceição Vilhena em Gungunhana, Grandeza e Decadência de um Império Africano. «Os seus prolongados silêncios seriam sem dúvida o espaço de um amargo rememorar. Um ócio arrastado, sombrio, de desencantamento, que acelera o envelhecer. É o leão de Gaza transformado num cordeiro.» Muitos açorianos recordam hoje histórias familiares em que avós ou bisavós, ainda crianças, nutriam enorme ternura por Gungunhana, correndo para ele nas ruas da cidade e aninhando-se de um salto no seu braço vigoroso. O protagonista de algumas das histórias seria provavelmente Zixaxa, mais adaptado à terra – outros relatos nasceriam simplesmente na imaginação agridoce de quem temeu deparar-se um dia com «os pretos do Monte Brasil» e, depois, absolveu a sua presença na ilha.
Gungunhana morre a 23 de Dezembro de 1906, vítima de hemorragia cerebral, segundo consta das notícias dos jornais. É enterrado na véspera de Natal, numa cerimónia realizada segundo os princípios cristãos e a que assistiram os seus três companheiros de degredo. Quatro dias depois celebrar-se-ia o décimo primeiro aniversário da sua prisão. Mas tanta coisa acontecera entretanto... Em Portugal, Mouzinho de Albuquerque havia-se suicidado, a cidade do Porto resistira a uma peste bubónica, Lisboa assistia a espectáculos frequentes de cinema. Ao redor do mundo, as mulheres inglesas reclamavam direito de voto, os irmãos Wright haviam conseguido pôr no ar o Flyer I, Einstein inventara a Teoria da Relatividade. A morte de um pobre alcoólico, mesmo despojado de um império apenas suplantado em África pelo califado de Sokoto, era uma pobre efeméride.
Gungunhana «morreu sem uma simples homenagem», lamenta então o jornal Portugal, Madeira e Açores – outros jornais limitar-se-iam a notícias breves. No cemitério da Conceição, no extremo-norte da massa urbana de Angra do Heroísmo, os seus ossos ficariam na sepultura apenas enquanto esse espaço não fosse indispensável a outro defunto. O seu destino final, caso ninguém os reclamasse, seria a vala comum. O regresso a Moçambique, na altura ainda uma província ultramarina, não passaria de uma anedota ridícula.

Gungunhana

Chefe tribal poderoso e terceiro imperador dos Vátuas, Gungunhana nasceu em 1839, em Moçambique, e morreu em 1906, em Angra do Heroísmo. O seu reinado teve início em 1884.
Colocado perante a colonização europeia, Gungunhana pretendia prestar vassalagem a Portugal, mas a tirania que usava na relação com o seu povo levou a que o governo português pusesse fim às suas actividades cruéis. Travados vários combates, entre os quais os de Marracuene, Mongul e Coolela, Gungunhana foi derrotado pelas forças de Eduardo Galhardo e aprisionado em Chaimite pelo capitão Joaquim Mouzinho de Albuquerque, corria então o ano de 1895.
Trazido para Lisboa, Gungunhana não mais voltaria a território de Moçambique. Foi primeiramente encarcerado em Monsanto, de onde mais tarde, a 23 de Junho de 1896, foi transferido para Angra do Heroísmo. Aí aprendeu a ler e a escrever e foi convertido à força ao cristianismo e baptizado com o nome de Reynaldo Frederico Gugunhana.
A 23 de Dezembro de 1906, Gungunhana morreu, no hospital militar de Angra do Heroísmo, vítima de hemorragia cerebral.
A 15 de Junho de 1985, por ocasião do décimo aniversário da independência de Moçambique, os Presidentes Ramalho Eanes e Samora Machel aceitaram a transladação dos restos mortais do resistente colonial, Gungunhana (ou Ngungunhane), para a Fortaleza de Maputo.

















Ngungunhane (1850-1906), ou Gungunhana, (sentado à esquerda) com seu filho Godide (em pé, à direita,  com a mão no ombro do pai), Molungo (sentado, à direita de Godide ) e Zixaxa (de pé à direita). Foto tirada em Angra do Heroísmo, Açores (Abril, 1899).

29 de outubro de 2010

DE NOVO EM ANGRA

Depois de ter estreado, no Teatro Angrense, no passado dia 16 de Abril, de novo em Angra, mas desta feita, na sede do Alpendre, que vem abrindo as portas ao Pedra-mó - grupo de teatro - no Outono.
O Valentão do Mundo Ocidental
Uma Comédia de John Millington Synge
SINOPSE
O Valentão do Mundo Ocidental é a obra-prima de Synge, a peça que lhe trouxe fama internacional. Ao fazer com que Christy Mahon, o Valentão, acredite que matou o pai, ainda que tal não tenha acontecido, Synge explora as possibilidades cómicas do tema edipiano que envolvem tanto o parricídio como o incesto. Esta comédia esplêndida e extravagante adquire ressonâncias trágicas quando Synge, mais uma vez, faz contrastar o mundo do sonho ou da ilusão (o mundo do Valentão) com o mundo da realidade crua que não pode ser redimida pela imaginação (o mundo dos camponeses). Quando a peça foi apresentada pela primeira vez no Teatro da Abadia, em Dublin, o público provocou um tumulto, chocado com a violência da acção e com a imagem da Irlanda que ela veiculava.
MM

A BEM DA NAÇÃO, DESPACHEM-SE

Com esta imagem de 1892, em que o Rafael Bordalo Pinheiro tenta mostrar como todos estavam preocupados com o estado do pais, para em roda pé afirmar que todos o veem pelos olhos do Mestre Zé Dias. Eu, que tenho brincado um pouco com esta situação, já começo a ficar preocupado, não ainda com as consequências do orçamento, mas sim com a forma como a opinião pública está a ser bombardeada com imensas e variadas opiniões, muitas delas parecendo grandes disparates. Se, naquele tempo, só o mestre Zé Dias tinhas olhos para o estado da nação, o que não era nada plural, pelo contrário, hoje, são tantos os que se perfilam a comentar a situação, que, apesar de podermos escutar inúmero pontos de vista, estamos a ficar intoxicados ou traumatizados ao ponto de, mesmo que tenhamos orçamento, já não teremos cabeça para o aturar. Por outro lado, os que estão com as mãos no orçamento, ou seja os partidos políticos, formam dois blocos distintos, um composto pelos partidos que são contra todos os orçamentos e logicamente seriam contra este, a declararem frontalmente que vão votar contra e os restantes que só nos dizem meias coisas e já nos estão a enervar ao ponto desejarmos, 24 horas por dia, que houvesse eleições.
A bem da Nação, deixem passar a expressão, despachem-se em favor do interesse nacional e deixem de pensar no jogo partidário. Nem ao fundo do túnel se houve falar de ideologias, então o que os impede de colocarem os interesses nacionais à frente de tudo?
Às vezes ficamos com a ideia de que os partidos só pensam no interesse nacional nas campanhas eleitorais, se pensam! 
MM

26 de outubro de 2010

DESPIR O POVO

Para que conste e também para nosso consolo, não foi só no século XXI que o povo teve de "largar a casca".

  MM

21 de outubro de 2010

O GOVERNO EM SALDO


para ler melhor carregue na imagem
Cuidado, não se apressem que este saldo já foi em 1879.
Embora não possamos ir aos saldos podemos estabelecer comparações.
in, O António Maria, 12 de Junho de 1879.
MM

IMAGINEM, CENAS PARLAMENTARES.... MAS, DE 1879


Ressalvando as devidas distâncias, adicionando todas as inflações declaradas e encapotadas, sem esquecer a evolução da comunicação social, ocorre a pergunta: Será consequência daquela crise, esta que atravessamos?
Talvez não, ou talvez sim!
Convém refletir!
MM

7 de outubro de 2010

AS OITO BANDEIRAS PROPOSTAS PARA A REPÚBLICA



Proclamada a república, decide-se que, ainda em 1910, deveriam existir os novos símbolos. Instalou-se uma forte polémica, entre outros Guerra Junqueiro, apesar de ser republicano,   defendia que a nova bandeira devia ter por base, tal como na monarquia, as cores azul e branco, dizendo que «a bandeira vermelha e verde é uma bandeira de pretos». A comissão nomeada para escolher a nova bandeira a adotar fez a escolha que todos conhecemos, porém, e aqui para nós, que ninguém nos ouve, os proponentes não tiveram a sorte de ser tocados pela inspiração, porque, bem vistas as coisas, decidido que estava não ser azul e branco, à comissão não foi difícil escolher. Para pretos e para brancos, a verde e vermelha é a mais harmoniosa, e, provavelmente, também a azul e branca do cimo, se tivesse a esfera armilar sob o escudo, tal como foi proposta é deselegante, o resto é tudo simplesmente horroroso.
MM

6 de outubro de 2010

COMEMORAÇÕES DO 8Oº. ANIVERSÁRIO DO 1º. VOO AÉREO NOS AÇORES A PARTIR DE TERRA

Pelas 18H00, de 2ª. Feira, 4 de outubro de 2010, tal como estava programado, no Núcleo Museológico dos Altares, a Junta de Freguesia dos Altares e o Núcleo Filatélico de Angra do Heroísmo, - agora renascido -  acharam por bem, - e eu reforço, e muito bem  - assinalar esta data incontornável na história da aviação portuguesa, feito este ocorrido nos Açores, ao inaugurar neste mesmo dia, mas do ano de 1930, o aeródromo da Achada, o qual foi uma vitória aérea e terrestre, dado que, muitas pressões estranhas à Ilha Terceira, tentaram que este não acontecesse aqui, quer no tempo, quer geograficamente.
Daí, da Achada, levantou pelas mãos do altarense Frederico Coelho de Melo, na altura com a patente militar de tenente, o Açor, já aqui identificado, o qual para além de projetar o espaço aéreo dos Açores na senda da aviação mundial, veio pôr de rasto a teoria  que corria o mundo, fazendo crer serem os Açores um cemitério de aviões.  
Mas passando aos acontecimentos, o programa constava do seguinte: A Junta de Freguesia doa Altares levou a cabo uma sessão solene de homenagem à data, ao acontecimento e ao altarense que a ela ficou ligado para sempre. Neste espaço já apresentámos documentos que são a prova inequívoca disso. Após a Sessão Solene, o Núcleo Filatélico de Angra de Angra do Heroísmo com o apoio dos CTT de Angra do Heroísmo fez o lançamento de dois selos evocativos da data; um deles mostra-nos o homem (FREDERICO DE MELO), o outro a máquina (O AÇOR), Falaram nesta Sessão o Sr. Presidente da Junta de Freguesia dos Altares, Salvador da Rocha Lopes, um representante do Núcleo Filatélico, o Sr. João Garcia e por último o Vereador Cota Rodrigues em representação da Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.
Não é nossa intenção fazer qualquer juízo sobre o que nos foi dito por nenhum dos oradores, excecionalmente gostaria de fazer uma referência à intervenção do Sr. João Garcia, altarense residente na Califórnia, nos Estados Unidos e que através de sua esposa, está ligado familiarmente ao Capitão Frederico de Melo, dado que ela era sobrinha (filha) – permitam-me este aparte, pois ela vivia com  homenageado como se tal fosse, situação esta que deu oportunidade ao amigo João Garcia de partilhar connosco uma grande parte do que o Capitão Frederico Coelho de Melo lhe transmitiu, não isenta de alguma comoção, comoção essa que deu ao momento muita autenticidade.
Por fim foi chamada a presidente da Assembleia de Freguesia dos Altares para obliterar o primeiro conjunto dos Selos Comemorativos.
Deste ato, para além da justa e merecida homenagem, ficou provado, se é que já não o estava, que naquela data distante de 1930, havia gente, que, pensando como  o Capitão Frederico Coelho de Melo, previam que para os Açores, em termos aéreos, estava reservado um grande futuro. E a prová-lo está o panfleto, cujo texto abaixo reproduzimos, que foi lançado sobre a populações da Ilha Terceira naquele dia.
texto escrito usando a nova ortografia e no qual foram incluídos dados provenientes da pesquisa feita por Alcino Meneses e distribuídos na Sessão Solene.
MM

30 de setembro de 2010

Os pioneiros da aviação na História dos Açores…

Em vésperas das comemorações do 80º. Aniversário do 1º. Voo Aéreo realizado nos Açores a partir de terra, mais concretamente do também primeiro aeródromo dos Açores, na Achada Ilha Terceira, transcrevemos, com a devida vénia do Correio dos Açores.
"O presente artigo já pecava pelo atraso. Planeado para comemorar os 92 anos do primeiro voo nos Açores, foi sucessivamente adiado por diversas razões. Em todo o caso, fez em Fevereiro passado 92 anos em que pela primeira vez levantou (e se observou) um avião nas ilhas dos Açores.
Efectivamente, no dia 23 de Fevereiro de 1918 levantaria voo junto ao forte de São Brás o primeiro avião americano da base aeronaval implantada em Ponta Delgada no final da Grande Guerra (ou da I Guerra Mundial como é vulgarmente conhecida). Constituída em finais de 1917 e Janeiro de 1918, esta base estrangeira em solo nacional seria o clímax de uma situação que desde 1914 tendia a agonizar-se nos mares açorianos, em grande parte provocada pelo desaparecimento dos grandes navios de guerra de superfície ingleses, arrastando (e afundando consigo) todo o comércio das ilhas em virtude do progressivo aumento da actividade dos U-boats alemães nas imediações.
Fácil se tornaria encontrar um exemplo, entre vários, de uma guerra mundial complexa para os açorianos. Este progressivo crescimento da actividade submarina alemã junto às ilhas teria o seu culminar no ataque do Deutchland a Ponta Delgada, a 4 de Julho de 1917, do qual haveria de resultar a morte de uma jovem e o afastamento da unidade naval alemã mediante a forte oposição da artilharia americana a bordo do navio carvoeiro Orion (embora apoiado pela artilharia portuguesa, que foi ineficaz, por estar mal posicionada).
A forma como a defesa das ilhas seria encarada após este evento, seria diferente, quer pelas autoridades nacionais, quer pelas estrangeiras. Dentro deste novo espírito, e como resposta a uma serie de directivas aliadas no Atlântico, a que as comunicações não são alheias, os EUA acabariam por vir para a maior cidade do arquipélago com 150 fuzileiros, duas peças de artilharia de costa, navios e patrulhas costeiras, submarinos e hidroaviões.
O Coronel Afonso Chaves chegaria a fotografar estas aeronaves. Contudo a fotografia a preto e branco tem as suas limitações. Sobre estas máquinas voadoras que encantaram todos aqueles que as desconheciam (ou mesmo aqueles que as já tinham visto por intermédio do cinematógrafo) pouco se sabe.
No dia em que o primeiro grande hidroavião Curtiss HS-2L descolou da baia do porto de Ponta Delgada, a cidade susteve a respiração. Pela primeira vez via-se uma máquina humana a imitar o voo dos pássaros, apesar do seu barulho sui generis.
A partir dessa altura, a agitação da urbe iria tornar-se típica de uma grande base naval, com muitos soldados portugueses e americanos a circularem pelas ruas; muitas viaturas militares americanas a apitarem para desimpedirem caminho e monoplanos ou biplanos estrelados de vermelho e branco a voarem por cima da população.
A sua missão estava essencialmente ligada ao patrulhamento marítimo, sendo rotineira a ida e volta a Vila Franca do Campo. A autonomia destes aviões era ainda muito curta, rondando os 600 km. Em todo o caso, das suas missões será de destacar a primeira filmagem da costa Sul da ilha de São Miguel (desaparecida) e projectada duas vezes no recentíssimo (ao tempo) Coliseu Micaelense, em festas de angariação de fundos para a Cruz Vermelha Portuguesa.
Terminada a guerra, a base seria desactivada, ainda a tempo de prestar apoio à travessia do hidroavião NC 4 em Maio de 1919, que é recebido em apoteose pelos micaelenses. O amigo americano, que havia defendido a cidade em 1917, e ajudado os micaelenses (e não só) ao longo de 1918, voltara a praticar outro grande feito.
De facto já se aguardava esta travessia do Oceano Atlântico desde 1914. Na época, a única dúvida para um dos órgãos de comunicação social micaelense, seria se o América (provavelmente um Curtiss H - América) amararia ou aterraria. Contudo o seu feito tardou por problemas técnicos, apesar da alta recompensa em jogo. Esta inovação tecnológica havia de ser rapidamente aperfeiçoada durante a Grande Guerra, tornando-se num dos muitos factores de mudança que caracterizam aquela que seria descrita como a mãe de todas as guerras.
Como ilhas dispersas no meio do Atlântico, a notícia de uma máquina que voava, aproximando terras remotas, revelara-se desde de inicio como um tema apaixonante. Numa região de pequenos trilhos em terra, em que nem todos conheciam os locais mais exóticos, mesma da sua freguesia, a ideia de uma máquina que em horas atravessaria o vasto oceano ligando dois continentes, apresentava-se como algo deslumbrante.
Contudo, a nível nacional também se estavam a dar os primeiros passos na aviação portuguesa: em Maio de 1914 surge a Escola de Aeronáutica Militar e em 1915 seria feito o concurso para a entrada de dez militares do Exército ou da Marinha (uma vez que havia uma secção naval), para formação numa escola de aviação estrangeira. Já em beligerância, Portugal teve que adquirir rapidamente algum material e pessoal especializado. Dentro deste espírito, em Outubro de 1916 entraria em funcionamento, sendo Artur de Sacadura Freire Cabral, oficial da Marinha de Guerra Portuguesa, seu director. Sacadura Cabral fazia parte do núcleo dos pioneiros da aviação portuguesa, formados em escolas estrangeiras, sendo camarada do capitão Francisco Xavier da Cunha Aragão, o «herói de Naulila», que de acordo com um órgão de comunicação social micaelense tinha raízes no Nordeste. O orgulho sentido neste filho da terra leva a que o mesmo jornal destacasse a sua chegada aos EUA em finais de 1915, referindo-se em 1 de Janeiro de 1916, que se encontrava em Nova York para aprofundar os seus conhecimentos por intermédio da aviação americana
Com o evoluir da guerra, nas frequentes crónicas da front são comuns os relatos da aviação no campo batalha, em especial dos apaixonantes combates aéreos (reproduzidos de acordo com a prosa da época nos órgãos de comunicação social) ou mesmo as fantásticas travessias aéreas (em que sucessivamente se batiam novos recordes), cuja incerteza pela vida era uma constante.
Se sobre Francisco Xavier da Cunha Aragão ainda poderá haver alguma dúvida sobre a sua naturalidade, sobre o tenente Adolfo Trindade não há. Trata-se de um dos pioneiros da aviação portuguesa, faialense de raiz e piloto pelo primeiro curso de pilotagem em Portugal.
Oficial da Marinha de Guerra portuguesa, havia aperfeiçoado os seus conhecimentos com uma série de cursos no estrangeiro até ser chamado em meados de Junho de 1918, à ilha de São Miguel para ser o comandante de uma possível base naval portuguesa nos Açores. Esta base acabaria por não passar do papel, apesar de ainda terem sido feitas algumas diligências para a sua instalação.
Uma vez ultrapassada a hecatombe que se lançou sobre a Europa entre 1914 e 1918, e superada a difícil tarefa da travessia aérea do Atlântico Norte, os anos de 1920 e de 1930 haveriam de se revelar como importantíssimos na história da aviação mundial, com reflexos em ambas as margens do oceano e claro está, na posição geoestratégica das ilhas.
Pelas ilhas haveriam de passar então Charles Lindbergh; o marquês Francesco De Pinedo e o seu Santa Maria II; a primeira mulher a voar no Atlântico, a austríaca Lilly Dillenz e o seu Junkers D 1230; miss Ruth Elder, que entretanto havia perdido o seu American Girl; a esquadrilha dos lindíssimos Savoia-Marchetti s.55 de Ítalo Balbo e Frank Courtney com o seu Dornier Do J Wal, para não deixar de mencionar máquinas fantásticas como o DOX, o Zephir da Deutsche Luftansa do III Reich e claro está, o Graf Zepellin.
Incontornável será a referência ao primeiro aeroporto nas ilhas, nomeadamente o campo da Achada na ilha Terceira, e a ascensão aos céus açorianos da primeira aeronave terrestre por cá, o Avro 504 K, baptizado Açor, com outro pioneiro da aviação açoriana aos comandos, o tenente Frederico Coelho de Melo, natural dos Altares, isto a 4 de Outubro de 1930.
Ainda mais importante do que a passagem destes vultos e máquinas dos pioneiros da aviação, uns com mais sucesso, outros com menos, seria o resultado final de uma série de ilações retiradas destes voos e que permitiriam o estabelecimento das primeiras rotas comerciais transoceânicas, como por exemplo para a Pan American Airways e os seus Yankee Clipper durante a II Guerra Mundial, assim como para a Air France e Imperial Airways.
Desta forma torna-se relativamente simples perceber que a história dos pioneiros da aviação nos Açores ainda tem muitas páginas para contar. Por exemplo, será de realçar a tentativa fracassada de estabelecer um recorde português da travessia Lisboa-Funchal-Ponta Delgada a bordo de um Fokker T. III W, o Infante de Sagres, em Março de 1926, lograda a poucas milhas de Ponta Delgada.
Os Fokkers T III W haviam vindo para Portugal no âmbito de um ousado projecto para realizar uma viagem aérea à volta do mundo no sentido inverso ao percurso de Fernão Magalhães (isto já no rescaldo do sucesso da travessia aérea do Atlântico Sul em 1922). Contudo, a sina a que ficariam associados começaria logo a 1 de Novembro de 1924: Sacadura Cabral desapareceria no mar do norte, apenas se encontrando um flutuador da sua robusta aeronave. O Infante de Sagres, teria sina similar, embora menos funesta. Ao levantar de Lisboa a 20 de Abril de 1926, teve o primeiro contratempo perto de um enevoado Funchal, acabando por amarrar em virtude de sobreaquecimento. Os seus dois pilotos da Aeronáutica Naval seriam encontrados no dia a seguir, por um barco de pesca, a 13 km do destino. Uma vez rectificada a avaria e ultrapassadas as burocracias, ascenderiam novamente aos céus a 9 de Maio, procurando retomar a tentativa de recorde, cujo vértice seguinte seria Ponta Delgada. Acabariam por novamente serem forçados a amarar em Vila Franca do Campo, por falta de combustível. Uma vez em Ponta Delgada, com a aeronave assente no varadouro do Corpo Santo (ao lado do forte de São Brás), os pilotos acabariam por regressar a Lisboa por ordem superior de barco, bem como o avião, às peças.
Outro episódio digno de referência será a estadia em Ponta Delgada de uma esquadrilha francesa de Breguet-bisert pertencentes à 1ª Esquadra Ligeira do Atlântico. Os quatro trimotores de reconhecimento aéreo franceses amararam ao porto da cidade micaelense às 14 horas de 19 de Maio de 1938, ou seja há 72 anos. A amaragem, à boa maneira do elevado gosto da época não seria feita de forma regular. Várias manobras seriam feitas para encanto da população e o último amararia mesmo em sentido contrário (Leste-Oeste), numa manobra arriscada no interior da baia do porto micaelense.
Faziam parte de uma esquadra francesa em manobras no Atlântico (e aproveitariam a ilha para concretizar algumas, junto à Bretanha), e pelos registos da época tinham dez homens de tripulação, pesavam dezoito toneladas, recebendo cada 2. 000 litros de combustível da firma micaelense J. H. Ornelas, ao tempo agente da Shell para os Açores.
A esquadra chegaria no dia seguinte, salvando terra a tiros de artilharia logo pela manhã e que seriam correspondidos pelo forte de São Brás, ainda hoje em dia responsável por esta centenária forma de saudação a embarcações estrangeiras. Ao contrário das aeronaves, que tinham vindo de Cherburgo, via Best e Lisboa, as onze unidades de superfície da Marinha de Guerra francesa haviam feito um desvio, passando pelo Funchal.
Entre a calorosa recepção, destacam-se os fervorosos jantares de ambas as partes, os passeios às Sete Cidades e Furnas com as autoridades civis e militares locais, e claro está, os empolgantes jogos de futebol entre os locais e os estrangeiros. Contudo, a visita desta esquadrilha poderá estar associada aos estudos pioneiros da grande aviação transoceânica, uma vez que por detrás destas aeronaves (que conheceriam diferentes versões) encontrava-se o fundador da Air France. Uma vez em Ponta Delgada, sairia uma aeronave rumo à Horta e uma segunda a Angra do Heroísmo.
Nesse mesmo ano, nova visita seria feita a Ponta Delgada, mas por uma divisão da Marinha de Guerra portuguesa, comandada por um notável filho da terra, o Capitão de Mar e Guerra Alfredo Botelho de Sousa, a comandar o Bartolomeu Dias (navio – chefe) e os destroyers Douro, Tejo, Lima e Dão, os submarinos Espadarte e Golfinho, e o aviso João de Lisboa.
Nesta fase, Portugal tinha duas embarcações com sistemas embrionários, típicos nos estudos desenvolvidos desde o fim da Grande Guerra, e que haveria de desembocar no desenvolvimento dos porta-aviões. São chamados de sistemas de catapulta, que catapultavam aviões a bordo das embarcações com vista a uma maior operacionalidade e diversidade nas operações. Uma destas embarcações era o Bartolomeu Dias, que tinha a bordo um Hawker Osprey III, rapidamente posto a sobrevoar Ponta Delgada.
Estes hidroaviões, integrados na Armada Naval em 1935 foram os únicos aviões embarcados da Armada portuguesa. Seriam rapidamente substituídos a bordo por canhões anti – aéreos e destacados para Macau onde serviram até 1941. As fotos aqui apresentadas poderão ser únicas no que concerne à sua actividade, uma vez que existem sites oficiais que negam a sua existência a bordo do Afonso de Albuquerque e do Bartolomeu Dias.
A sua presença a bordo é plenamente registada pelo Correio dos Açores, para além das suas ousadas manobras sobre a cidade e as suas duas descidas na Lagoa das Sete Cidades, uma das vezes, em ambas, para delírio de locais que ocorreram de barco a cumprimentar os pilotos navais.
Seriam o culminar de pouco mais de duas décadas de pioneirismo, aventura (com ou sem rádio, peça fulcral caso a missão corresse mal) e euforia de homens e máquinas. São igualmente duas décadas de autêntica “revolução” industrial na produção de aeronaves: de madeira e tela, passara-se a aviões com estrutura e revestidos a metal; de cabines descobertas a cobertas; de velocidades e raios de alcance autonomias na ordem dos 145 Km/h e 402 Km do Avro 504 K, para os 602 Km e 760 Km do Supermarine Spitfire Mk Vb ao inicio da II Guerra Mundial (neste caso um caça. Num bombardeiro famoso como o Consolidated B-24 Libereator, o raio de alcance atingia os 4.585 Km).
A expressão máxima da aviação nos Açores durante a II Guerra Mundial seria a criação de dois aeródromos em São Miguel e Terceira, a que se seguiria um em Santa Maria ainda antes do final da hecatombe. Ainda tutelados pela aviação do Exército Português, em articulação com as forças estrangeiras (nos dois primeiros casos), teriam uma unidade equivalente mas da Aeronáutica Naval no Centro de Aviação Naval de Ponta Delgada, sediado no desaparecido hangar da marinha junto ao forte de São Brás. À semelhança da guerra anterior, e ao espaço entre ambas, o antigo areal que outrora fora o porto da cidade, voltava a receber aeronaves com flutuadores, desta vez da Marinha de Guerra portuguesa.
Deste modo, os açorianos (em especial destas duas ilhas) rapidamente se habituaram aos voos dos aviões Gladiator do Exército, mais tarde reforçados pelos Junkers 52, e os hidroaviões da Marinha, os Grumman G-21-B e G-44 (com rodas incorporadas) e Avros 626, responsáveis pelo primeiro levantamento aerofotográfico das ilhas.
Contudo, a segurança e operacionalidade por eles representada não seriam isenta de riscos: o Exército perderia pelo menos dois pilotos e a Marinha um, entre duas aeronaves destruídas pelo rebelde mar açoriano.
Novamente se constata o papel importantíssimo das ilhas na História das comunicações do Atlântico Norte. Futuros trabalhos que irei desenvolver, trarão mais motivos para comprová-lo (neste e em outros capítulos), uma vez que existe sem dúvida uma historiografia açoriana, razão mais do que óbvia para os nossos alunos terem uma disciplina intitulada História dos Açores. Quando tanto se fala que um dos pilares futuros da economia açoriana reside no Turismo: então não temos que nos conhecer a nós próprios, para nos valorizarmos e nos destacarmos pela diferença? Como o iremos fazer, se os nossos alunos estudam a basílica de São Pedro em Roma (e bem) mas não a igreja de São Pedro em Ponta Delgada? Já Miguel Torga dizia: “Temos que conhecer a nossa terra, mas conhece-la por dentro...”."
CORREIO DOS AÇORES
04 Abril 2010 [Opinião]
Autor: Sérgio Rezendes 
MM

29 de setembro de 2010

AINDA SOBRE O CAPITÃO FREDERICO DE MELO















No âmbito do 56º Aniversário da Força Aérea - 1 de Julho de 2008, na Ilha Terceira o General CEMFA, iniciava assim o seu discurso:
“Senhor Ministro da Defesa Nacional
Em meu nome pessoal, e em nome dos homens e mulheres que tenho a honra de comandar, manifesto o nosso reconhecimento pela disponibilidade de Vossa Excelência para presidir a esta cerimónia militar, ponto alto da celebração do 56º Aniversário da nossa Força Aérea, e de homenagem à Região e à população dos Açores, que tão fraternamente nos tem acolhido ao longo de mais de 70 anos.
Senhor Representante da República para a Região Autónoma dos Açores
Senhor Vice-Presidente do Governo Regional dos Açores
Senhora Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo
Senhores Deputados da Assembleia da República Eleitos pelo Círculo dos Açores
Senhores Secretários Regionais do Governo Regional dos Açores
Senhor Presidente da Junta de Freguesia de S. Bento
Excelência Reverendíssima o Bispo de Angra
Senhor Reitor da Universidade dos Açores
Senhor Vice-Almirante Comandante Operacional dos Açores
Senhores Comandantes Militares nos Açores
Ilustres Autoridades da Região Autónoma dos Açores
Distintos convidados da Região Autónoma dos Açores
Açorianos
Há cerca de 78 anos, um avião “Avro”, monomotor biplano, pilotado pelo Capitão Frederico Coelho de Melo, efectuou a sua descolagem assinalando a inauguração oficial de um aeródromo da Aviação Militar Portuguesa.
O aeródromo em questão situava-se na zona planáltica designada por Achada, a aeronave foi baptizada de “Açor” e o piloto era natural da freguesia de Altares, aqui na Ilha Terceira.
Como legítimos herdeiros das tradições, espírito e ideais deste e de todos os outros pioneiros da aviação em Portugal, ao celebrarmos hoje o 56º Aniversário da Força Aérea, como Ramo independente das Forças Armadas, considerámos que era tempo de o fazermos nesta terra, tão intensamente associada às operações aéreas, o que ocorre pela primeira vez na nossa vida em comum.
É neste contexto que manifesto a Vossas Excelências o meu sincero agradecimento, por estarem connosco neste dia festivo, mas sobretudo pelo acolhimento que sempre nos concederam e pelo apoio prestado na realização das diversas actividades associadas a esta celebração, que constitui, também, um excelente exercício da Força Aérea projectável porque sempre pugnamos.
…"
MM

26 de setembro de 2010

ISTO É QUE VAI UMA CRISE!

Também se pode brincar com coisas sérias e por aí podemos ser mais incisivos. Mete dó o que se vem passando nestes dias. Estamos tesos ou até mesmo tesos ao cubo, e os nossos políticos discutem, discutem e não chegam a lado nenhum. Se os vencimentos deles fossem os primeiros a ser truncados, ai não, se eles já se tinham entendido. Por isso vou ser mauzinho e atreve-mo a sugerir um alto corte na despesa do Estado; prescindir dos trabalhos parlamentares da Assembleia da República nos primeiros seis meses de 2011, e proceder do mesmo modo que atuam as empresas que suspendem a laboração: não há salários para ninguém, dado que da discussão da crise aumentam a mesma crise, empobrecendo ainda mais o país e desacreditam-no e aumentam o descrédito lá fora. Não se esqueçam de que os cortes deviam seguir a lógica das abonações - DE CIMA PARA BAIXO, e doa a quem doer!
Lá dizia a outra: "Isto é que vai uma crise"
MM 

22 de setembro de 2010

JOÃO D´AVILA QUE AGORA NOS DEIXOU

foto Bagos d´Uva 2009
Tinha a voz e o dom e esteve no ouvido dos terceirenses durante muito anos. 
Os que são do tempo em que o Rádio Club d´Angra era efectivamente a voz da Terceira, por ser a única estação que se ouvia na terceira, em Português, e sem as interferências  das ondas curtas. Nesse tempo o Rádio Club d´Angra prestou um serviço público, que julgo nunca lhe ter sido reconhecido e João d´Ávila, entre outros claro,  com a sua sonoridade e vocalidade ímpares, deu voz, hoje  diriamos  a era  a imagem, da Voz da Terceira.
Que lá no outro lado da vida lhe sejam dados os reconhecimentos que esta vida não lhe soube dar.
MM

UM HINO AO POVO DA TERCEIRA

"AO POVO
DA
MINHA TERRA
De Junho a Setembro "e até por Outubro adeante" o pôvo canta" folga e ri continuamente.
A alegria do Povo! Gênte que se afêz á vida no cude labôr da terra; encorajada pelo perigo da suas touradas á corda; sentindo latejar no sangue quênte o misterioso heroísmo dos seus avós, que fêz do mais minusculo recanto de Portugal o mais seguro esteio da sua independência; pôvo de poetas e cantadores; alma alegre das desfolhadas, dos terços e das vindimas - ei¬lo nas romarias a cantar, palmilhando léguas a um calôr ardente, para em frente das môças lindas, nos balcões da beira-estra, relancear seus olhos cubiçosos em promessas de amôr que são escrituras. . .
O povo da Terceira! O pôvo das touradas e romarias!
A Senhora dos Milagres; o Senhor S. Pedro; S. Carlos; Santa Rita - quasi toda a côrte celeste que dêsde tempos imemoriais se evoca para alento de creanças ou para pretexto de prazeres, não ha quem consiga destrona-la dos altares em que o pôvo a colocou, para regalo da sua alma sã e para alivio dos seus pezares terrenos!
Atraz dos andores, a poucas horas distantes, os curros das touradas, as camisolas dos pastores, os varapaus da lide!
Crença d’almas. ingénuas, esta do bom pôvo terceirense!
Bôdos de leite e merendeiras loiras, não ha miséria á sua volta. Enchendo os lares ás braçadas. rindo, folgando, o homem do nosso pôvo é o Anjo da Guarda da Pobreza. No seu forno cheio, na sua arca atulhada, ha sempre o pãosinho do pobre e a esmola que o reconforta!
Ceu cinzento dos Açores, país do vento e da névoa! Por detraz da cortina de nuvens em que escondes teu manto azul. ha um sol creadôr e aurifulgente iluminando em chapadas de luz a bôa alma dêste pôvo!
Estrugem no ar os foguetões em cada hora. Ha músicas, gritos, violas a tocar!
Que importa a poeirada do caminho, se os pulmões vão cheios do ar puro dos baldios, do rócio refrigerante das madrugadas em plena serra?
Da Serrêta aos Biscoitos, do Pôrto Martins ás Lages, pelos Altares, pelo Raminho, por toda a redondeza da ilha, o mesmo entusiasmo pela festa, a mesma alegria de viver! Por bagagem do caminheiro, o saco do farnel e o lenço bordado sobre a gola da jaquêta. Cruzada no peito, a viola de dez pontos. No braço, á dependura, um guarda-sol de volta…
Pé descalço mordendo o pó, rôsto tismado que o chapéu abeiro nem sempre livra do sol - lá segue éle por atalhos e veredas, atravessando matos e baldios, a trepar escaleiras, a passar caminhos, derribando portais, .escancarando cancelas - em
demanda do arraial distante onde seus olhos anciosos o esperam, e onde um "catrina" frisado, de enorme cachaceira, promete entontecer o pôvo na balburdia dessa tarde poeirenta.
O pôvo da Terceira! O pôvo das touradas e romarias!
como éle deixa transparecer a sua alma bôa nêstes folguedos em que entretem as horas de ócio, tão próprios do alegre feitio que o torna feliz, e que o distingue. por for¬ma notória, dos demais póvos do arquipélago!
Só privando com ele, auscultando-lhe o sentir de cada hora desde tempos de memória imorredoira, pode bem compreendêr-se a singular complexidabe do seu ver generoso e alegre nos bôdos e romarias. atrevido e audaz nas tourabas á corba, heroico e invencivel nas lutas pela Pátria! E se a Historia regista já, em páginas de glória aurifulgente, a sua impecavel conduta como valente português que sempre soube sê-lo, não ha, erguido bem alto ás excelsas virtudes do seu carácter, um monumento que ateste, completando-as, todas as modalidades da sua alma - na vida pacífica dos campos, na aventurosa existência de longes terras, ou nas diversões em que procura suavisar a amargura do seu viver laborioso e honrado.
E só assim, por um completo conhecimento da sua existencia íntima, poderia bem ajuizar-se do valôr que representa como pôvo, em que as qualidades da velha Raça transparecem, nítidas e precisas, como nas épocas longínquas dum Portugal Maior!
È para que melhor te compreendam - ó Povo da minha terra! que eu escrevo estas páginas da tua vida simples - páginas íntimas de recordação e de saudade, que lá longe, nas terras distantes onde elas te chegarem, levarão á imprecisão dos teus pensamentos a viva luz dos dias claros, de sol alto e mar azul, que são o retrato fiel da tua consciência límpida de honrado Açoreano e Português!"
                                                                                                           João Ilheu 
in, digamos que um prefácio para "TOURADAS E ROMARIAS", da sua autoria publicado em 1929 

É absolutamente necessário que façamos algum esforço por nos situarmos nos anos vinte ou trinta do século passado, para podermos reconhecer o valor deste texto, que deixa bem claro que João Ilheu conhecia muito bem o POVO.
MM

19 de setembro de 2010

CAPITÃO FREDERICO COELHO DE MELO


É efectivamente verdade que o prometido é devido, mas, quando não se pode cumprir, deve-se no mínimo dar uma  satisfação.
Quando a 11 de Julho último abordei o acontecimento, que foi o primeiro voo aéreo em que um avião levantou de terra açoriana, pilotado pelo Capitão Frederico Coelho de Melo,  prometi voltar ao assunto. Era, pois, minha intenção apresentar um biografia desenvolvida daquele pioneiro da aviação em Portugal. Depois de várias pesquisas,  sofri uma grande desilusão, porque da biografia compilada neste momento consta apenas o que abaixo se transcreve:
 "Frederico Coelho de Melo, nasceu na freguesia dos Altares, 25 de Abril de 1895 foi um militar e pioneiro da aviação militar portuguesa.
A 4 de Outubro de 1930, o então capitão Frederico Coelho de Melo, pilotando um avião monomotor biplano Avro 504K, baptizado de Açor, que havia sido montado na ilha Terceira, efectuou a primeira descolagem de um avião em terra nos Açores, assinalando a inauguração oficial do aeródromo da Aviação Militar Portuguesa na Achada, na zona planáltica do interior da ilha Terceira."
Há aqui um grande trabalho a fazer. Entre tantas outras coisas sabe-se que foi ,durante muitos anos, Comandante da PSP de Angra do Heroísmo. 
Segundo creio estão a ser preparadas as comemorações do 80º. Aniversário desse primeiro voo, a acontecer aqui nos Altares e as pessoas envolvidas nesta preparação já se deram conta da falta de informação contida na sua biografia oficial.
Espera-se que o 4 de Outubro dê origem à compilação de mais dados na sua biografia, por que eles existem, esperando-se que os mesmos sejam tornados públicos.
MM

13 de setembro de 2010

NOSSA SENHORA DOS MILAGRES, DA SERRETA














































por João Ilhéu, in "Touradas e Romarias" 1929

É manhãsinha. Dos lados do nascente vem ainda uma luz azulada que imprecisa as coisas, roubando-lhes as tonalidades fortes do dia pleno. Um ar macio percorre-nos a face, ar cheiroso de caruma e ervas tenras, que balsamisa e dispõe bem.
D'aqui, do balcão de pedra negra onde riscas largas de cal deixam uma nota de frescura, avista-se a estrada branca de bagacina até uma graciosa curva que dois velhos moinhos ladeiam, projectando no céu os braços nus. 
Um mugido vem quebrar agora o silêncio dêste alvorecer, repercutindo-se pelas quebradas, em ecos sucessivos, como se a natureza até ali adormecida, fôsse despertando em espreguiçar molanqueiro, já bem fartinha de sôno.
Cruzam-se no ar as primeiras asas, o toito pipila a canção matinal dêsse dia de Setembro
Trindades. Um dourado fulvo desfez quasi o azul, recortando a folhagem das árvores próximas e coroando de luz o dôrso das serras altas.
Passam á cancela os primeiros bois, na cadência compassada das lavras que a lembrança do arado lhe deixou. Atraz o pastôr, bordão ao ombro, puxa fumaças de milho, despreocupadamente.
Sente-se já um rumor de vida por toda a terra. A passarada entôa seus cantos com profusão de escalas. Nédia moçoila, de ancas largas, conduz á cinta o pote de madeira a lacrimijar água fresquinha.
De corrida empoeirando tudo, passa uma carroça com seu garrano, a trote largo, num chocalhar de ferragens que estremece a gênte.
Depois um carro, vagaroso, a chiar nos eixos o pêso das faias. E gênte que se crusa e se salva cada qual para seu mister, na azáfama dos dias de festa...
Por detraz da serra, das bandas da cidade, o sol mostra já seu disco de ouro  a projectar sombras compridas.
Um minuto mais, e as tôrres da igreja têm a primeira chapa de luz.
O sol é esperto romeiro:
- Senhora dos Milagres, bom dia!
*** 
Há festa na igreja. O altar da senhora, cobertinho de flores, entre dezenas de lumes a tremular, é como um jardim suspenso onde um enxame de abelhas douradas descesse á procura de mel.
Muito calada, muito branca, cheirando a incenso e rosas orvalhadas, a igreja da Serrêta não tem o aspecto grave d'outros templos - parece mais um recanto de piedade onde almas cristãs, cansadas do mundo, corressem a banhar-se, perfumando-se de novas graças.
O sol que entra pelas janelas amplas enche-a duma luz forte - uma luz viva, palpitante, que é toda pureza e claridade e lhe rouba aquele ar de mistério, o frio e gelado mistério das igrejas antigas, de lagêdos gastos, impregnados de cheiro a humidade e a cêra.
É dia de procissão. Por detraz da grade polida dois andores pequeninos - um todo azul, o outro côr de rosa - aguardam que mãos piedosas os levem, naquela romaria de saudade, até junto do povo crente, pelas ruas alcatifadas de fêno.
Cá fora, no adro do terreiro,o pôvo espera-os também. e a Nossa Senhora, no seu trôno pequenino todo cheinho de flôres.
- «Senhora dos Milagres, tende piedade de nós»
               Dlão! Dlim! Dlão! Dlim!
Vai saindo a procissão. Á porta, pelos degraus, sobre a estrada, nos balcões, o pôvo comprime-se, espreitando nos bicos dos pés, por cima daquele oceano de cabeças descobertas, a passagem do cotejo. Na frente o guião; depois alas de opas, brancas e vermelhas; as meninas da comunhão com seus véus de gaze compridos; os rapazes todos de preto com laços de sêda no braço e nos sírios; o andores, mais opas, e finalmente Nossa Senhora.
O pôvo ajoelha, devoto e contrito, resando baixinho.
 - Ave Maria, cheia de graça...
Uma girândola de foguetes subiu no espaço, salpicando o azul de nuvensinhas redondas; e a música, entoando a marcha cadenciada, lá segue o cortejo, compassadamente, atraz do páleo dourado.
O adro, o terreiro e o troço defronte da egreja, estão ornamentados com vistosos arcos de madeira, seguros nas extremidade por anjinhos roliços com mantos coloridos a tiracolo, e apoiados em altas colunas de quatro faces, caiadas a várias côres, que mastros fortes suportam ostentando no topo uma bandeira. Aos lados renques de faias altas marginam toda a estrada no percurso da procissão, e das casas trazem cêstos de verdura e flôres a atapetar a rua: - Fêno, alecrim, hortênses e giestas bravas.
E quando a procissão passa  e aquela verdura é pisada, moida por milhares de pés que sem piedade a esmagaram, envolvendo-a no pó, o ar fica empregnado de extranhos odôres que a noite fortalece, fazendo-os subir, como incenso, ao redor do altar da virgem.
- Senhora dos Milagres, rogai por nós.
MM

11 de setembro de 2010

O CRUZEIRO DO PICO MATIAS SIMÃO

desenho de Mestre Maduro Dias, projectista do monumento
CRUZEIRO DA INDEPENDÊNCIA
Falar do Pico Matias Simão, é recordar o monumento ali erigido em 1940, cuja inauguração ocorreu a 8 de Dezembro. Este monumento assinala as comemorações dos centenários; a saber, 8 séculos da fundação de Portugal e 3 séculos da Restauração da Independência após o domínio espanhol.
O Revdo. Dr. Manuel Cardoso de Couto, cuja biografia contamos publicar em  breve foi o homem da ideia, mestre Maduro Dias o projectista e Monsenhor  Inocêncio Enes o líder da obra, que foi suportada pelo altarenses residentes e emigrados.






















O CRUZEIRO DA INDEPENDÊNCIA
FOI INAUGURADO NA FREGUESIA DOS
ALTARES, COM UMA FESTA CHEIA DE
ELEV ADA ESPIRITUALIDADE

A laboriosa população da vasta e progressiva freguesia dos Altares esteve em festa no último domin­go - 8 de dezembro - festa que inundou todos os corações de lídimos sentimentos de exaltação cristã e patriótica e que decorreu num ambiente de elevada espiritualidade.

O povo dos Altares inaugurou nesse dia com a solenidade própria do ato o seu Cruzeiro da Inde­pendência com que magnificamente se associou ás comemorações nacionais do oitavo centenário da Fundação e do terceiro centenário da independência de Portugal.
Ideia nobre e generosa do nosso ilustre Diretor revdº. sr. Dr. Manuel Cardoso do Couto, distinto filho dos Altares, que, com a decisão e boa vontade que o caracterizam lhe deu vulto e tornou consoladora rea­lidade - teve o mais caloroso apoio não só do digno Pároco daquela freguesia revdº. sr. Padre Inocêncio Enes mas de toda a população que unanimemente louvou e aplaudiu a bela iniciativa do seu querido conterrâneo.
A Natureza associou-se ao júbilo dos altarenses, proporcionando-lhes um dia magnífico, um daqueles belos dias de sol que tanto caracterizam a quadra ou­tonal das nossas ilhas,
As solenidades deste dia que fica inscrito a letras de oiro na história da freguesia dos Altares, começa­ram pela festa em honra de Nossa Senhora da Con­ceição que foi precedida de triduo com praticas.
De manhã. houve numerosa comunhão geral.
A missa solene foi cantada pelo revdº. Pároco sr. Padre Inocência Enes. acolitado pelos revdºs. srs. Pa­dre António da Costa Moules, Pároco dos Biscoitos e Padre José Gonçalves Toledo, dedicado altarense.
Ao Evangelho pregou o revdº. sr. dr. Cardoso do Cauto. Serviu de mestre de cerimónias o revdº. sr. Padre Henrique Pamplona.
A música foi otimamente desempenhada pela ca­pela da freguesia, coadjuvada por um grupo de sa­cerdotes.
A igreja que estava apinhada de fiéis, encontra­va-se ornamentada com gosto e brilho.

***
Cerca das 3 horas da tarde reuniram-se no largo da. igreja o exmo. Governador substituto do Distrito, sr. dr. Francisco Lourenço Valadão Jr., o exmo. Direc­tor da Secretaria Notarial. sr. dr. Henrique Braz, o exmo capitão do Porto e Comandante da. Legião Portugue­sa, sr. 1º. tenente Eduardo Augusto da Costa Cabral Metzener, os revdºs. srs. dr. Manuel Cardoso do Cou­to, Padre José Gonçalves Toledo, Padre Henrique Pamplona, Padre Artur Botelho de Paiva, Padre An­tónio da Costa Moules, Padre José da Costa, Padre António Pereira Rodrigues, Padre Inocéncio Enes, Pa­dre Ivo Berbereia, o sr. Gregório N. Ferreira, também dedicado filho dos Altares, e o Chefe da Redação deste jornal.
A chegada do exmo. Governador foi assinalada com o estralejar de muitos foguetes, tendo nessa ocasião a banda de música da freguesia executado o seu hino.
Organizou-se em seguida o cortejo. indo à frente as crianças da Cruzada Eucarística e filiados da Ac­ção Católica. Fechava-o uma compacta massa de povo.
Durante o trajeto a banda executou lindos ordi­nários.
Dirigiu-se o cortejo para o Pico de Matias Simão onde se ergue o Cruzeiro e de onde se desfruta um dos mais surpreendentes e deslumbrantes panoramas que a nossa terra oferece. ­
No célebre Pico que domina a fértil freguesia dos Altares, já se encontravam aguardando o cortejo mi­lhares de pessoas, não só da freguesia, mas das do Raminho e Biscoitos que quiseram associar-se à bela demonstração de Fé e patriotismo dos altarenses. ne­le se incorporando o exmo. sr. dr. Ramiro Machado, Presidente da Junta Geral bem como sua exma. Esposa.
Dificilmente o cortejo avança por entre a compac­ta multidão até chegar junto do Cruzeiro que, embora não estivesse ainda concluído, deixava já que pudés­semos apreciar e avaliar bem o alto sentido de reli­giosidade e nacionalismo que Maduro Dias lhe soube imprimir.
A inauguração começou pela benção do Cruzei­ro a que procedeu o revdº. sr. dr. Couto que em se­guida pronunciou um entusiástico discurso em que deixou falar o seu coração de altarense para dar os parabéns primeiramente ao rever. Vigário que com tanto ardor se empenhara para que se levantasse aque­le Cruzeiro e impulsionara o povo da freguesia ao ponto de ali se encontrar na sua grande maioria a to­mar parte naquele ato festivo; e depois à população dos Altares pelo belo exemplo que assim legava aos vindouros.
Prosseguindo o ilustre orador fez judiciosas e elo­quentes considerações sobre o significado dos Cruzei­ros e terminou por agradecer às Exmas. Autoridades a sua comparência àquele ato que com a presença de suas exªs. se revestia de melhor brilho e solenidade.
Seguiu-se: o Hino Jocista (canto); a poesia «Cru­zeiro da nossa terra», da autoria do Padre Moreira das Neves, recitada pela menina Maria da Conceição Couto com muita expressão e naturalidade e o cânti­co «Nós somos jovens». ­
Levanta-se em seguida o sr. dr. Valadão. O seu discurso, belo na forma e no conceito. foi um mara­vilhoso hino à Cruz da qual dimane uma força estra­nha que tudo vence e tudo domina, essa Cruz que há dois mil anos era o símbolo da ignomínia e que o sacrifício inaudito. as dores inenarráveis, e as afrontas e vitupérios pacientemente suportados por um Homem transformou em símbolo de Fé que arrasta as multi­dões e dá a força e a energia para os maiores come­timentos.
O sr. dr. Valadão foi calorosamente aplaudido. Em continuação do programa seguiram-se os se­guintes números: «p'ra frente restaurar» (cântico); Saudação à Cruz», poesia da autoria do Padre Rocha de Sousa, recitada pela menina Maria Ilda Gomes;
Hino da L. A. C. F.;
«A Cruz mutilada», poesia recitada pela menina Odete Esteves;
«Hino ao Sol» (cântico);
Diálogo pelas meninas Terezinha Lopes e Glória Xavier ;
Aldeias de Portugal (cântico). .
Todos estes números foram muito bem desempe­nhedos, e as crianças que recitaram fizeram-no com graça e vivecidade.
A instâncias do sr. Padre Inocêncio o sr. dr. Ra­miro Machado pronunciou também algumas palavras Feliz e graciosa alocução como todas as que sua exª. tem o condão de improvisar. prendeu por alguns momentos todas as atenções. Quando o sr. dr. Ramiro terminou, uma calorosa salva de palmas demonstrou expressivamente o agrado com que fôra ouvido.
Mais dois cânticos: a «Canção de Porlugal» e o hino sempre empolgante «Salvé nobre padroeira».
E assim terminou o programa da inauguração do Cruzeiro da Independência que ali fica, no Pico de Matias Simão, a dizer às gerações futuras que o povo dos Altares, neste ano das comemorações centenárias do nosso Portugal soube dar um alto testemunho da sua acrisolada fé e do seu firme patriotismo, acolhen­do com o maior carinho a ideia da ereção do mes­mo Cruzeiro sugerida pelo Sr., Dr. Manuel Cardoso do Couto.
Todos os oradores tiveram palavras do melhor apreço para Maduro Dias. Artista de méritos invulga­res que, como já tivemos ocasião de dizer, esta sem­pre pronto a dar a sua brilhante colaboração a todas as manifestações de arfe. E quando Maduro Dias apa­receu junto do Cruzeiro - já a meio da execução do programa, justamente na ocasião em que o sr. dr. Va­ladão se lhe referia, se a memória nos não falha ­acompanhado do distinto engenheiro sr. Custódio Ro­sado Pereira a cuja ação também muito deve aquele cruzeiro, a multidão acolheu-o com uma calorosa ova­ção, que bem traduz o apreço e admiração que todas as classes sociais lhe dispensam.
A essa manifestação nos associamos gostosamen­te e, terminando, não queremos deixar de felicitar vivamente o sr. dr. Cardoso do Couto, nosso ilustre e querido Diretor que, bem o sabemos, dedicou ao le­vantamento do Cruzeiro dos Altares todo o seu em­penho, energia e boa vontade, largamente compensa­dos pela satisfação que sentiu domingo ao ver coroa­do de pleno êxito o seu desejo; bem como o nosso bom amigo sr. Padre Inocêncio Enes que tanto se in­teressou para que se tornasse realidade a magnifica iniciativa do sr. dr. Couto. e ainda a população altarense pela forma tão digna e eloquente como se associou às Festas Centenárias.
Dezembro de 1940
aspecto actual do cruzeiro
MM

5 de setembro de 2010

FESTAS DE NOSSA SENHORA DE LOURDES DOS ALTARES 2010
































PROGRAMA
SÁBADO 4 DE SETEMBRO
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Desfila da filarmónica Altarense do Sagrado Coração
           de Jesus
22;30 - Cortejo de abertura

DOMINGO 5 DE SETEMBRO
10:00 - Crono-escalada (prova de bicicleta)
17:00 - Missa de Festa em honra de Nossa Senhora de 
           Lourdes
18:30 - Procissão de Nossa Senhora de Lourdes
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Actuação do grupo "Som Ilhéu"

SEGUNDA FEIRA 6 DE SETEMBRO
10:30 - Prova de Trial de Moto4 (ribeira de São Roque)
17:30 - Missa de Festa em honra de Santo António
18:30 - Procissão de Santo António
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Actuação do grupo "Banda4"

TERÇA FEIRA 7 DE SETEMBRO
12:00 - Bodo de Leite
18:00 - Vacada no cerrado - nas Achadas
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Desfile de noivas do Passado e presente 

QUARTA FEIRA 6 DE SETEMBRO
18:00 - Tourada à corda nas Achadas, com toiros de Herdºs.
           de Ezequiel Rodrigues
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Surpresa para crianças

QUINTA FEIRA 6 DE SETEMBRO
11:30 - Excursão ao Tentadero dos Herdºs. de Ezequiel 
            Rodrigues
18:00 - Tourada à corda "Ao Lugar", com toiros de Herdºs. 
           de Ezequiel Rodrigues
21:30 - Abertura da iluminação e bazar
22:00 - Actuação do grupo "Só Forró"

EXPOSIÇÕES: 
Durante as Festas estarão patentes ao público duas exposições; uma organização do Pedra-mó Grupo de Teatro, a saber:
No Salão da Casa do Povo dos Altares - RUI MELO ~18 anos de cenografia no Pedra-Mó - grupo de teatro - .
No Núcleo Museológico dos Altares - HOMOFOBIAS - exposição de fotografia
(esta exposição foi gentilmente cedida pela Associação Cultural Burra de Milho)
MM